domingo, 12 de julho de 2015

Emendas, sempre uma questão!...

Muitos têm dificuldades em emendar linha e daí preferem usar uma linha imeeeeensa, sem prestar atenção a que isso irá causar problemas mais à frente: a linha embola, dá nós, o trabalho fica mais demorado. Eu, nos meus trabalhos, uso no máximo o comprimento de 5 cadernos e vou emendando à medida que é preciso.
Disponibilizaram este tutorial PAP para emendas e achei muito útil NO final dele, para quem não quer usar as fotos, há um vídeo com o mesmo nó.

Deixo o texto no original, para ficar bastante claro que o texto não é meu, mas as fotos são mais do que suficientes para o trabalho!

Attaching a new thread to a short one during book quires sewing (weaver's knot)

   I understand that this topic maybe not a knowledge target for binders and conservators professionals who normally knows by heart how to do attaching a new thread to the short one during sewing process and we do it thousands of times on our daily binding and sewing work.
So! what features this knot do you thing it should carry ?
Features!! what a strange word for such a very basic and regular process for book binder and book conservators as well, but think carefully now!
mmmm yes! it should be:
  • Strong, which means that when we continue sewing and pull the new threat it should be strongly attached and knot to the small (old) one.
  • Even if you will attach the new thread from inside the quires or outside it (from the spine depend on your technique) you still DO NOT want to have a large solid knotwhich will cause a large hole when you trying to take it throw to the inside of the sections (in case of you prefer this technique). and also if it is large knot it will make bad appearance to your final sewing quality and maybe the quires themselves.
  • What if you have only a very short end thread? in case of accidentally cut of the threads as example, and you are not then happy to reverse the sewing for the last quire to get a longer thread end to make you easily able to knot it with the new one.
Book Sewing
So now you understand that your new thread should be attached to the short one with 3 basic features
  1. strong knot.
  2. small knot.
  3. easily attached to a short end.
performing a weaver's knot will give you all those features and here is step by step picture tutorial teaching you how to do this knot.

note: I am using here 2 thread colors to make it easy for this tutorial to distinguishes the process
Short thread (A) White & new thread (B) blue
I will point to the short thread (the thread that is in your quire) with the White(A) thread and the new one (which you wont to knot with the short one) with the Blue(B) thread in the tutorial pictures.

step 1:
Loop the new thread (B)

The longer end of the thread (B) is brought up throw the loop

Pull up the long end from the middle of the loop then bull together the longer and the shorter ends of thread (B) until it make a sort of hanging knot.

Step 2:
Place over the short end (A) of the old thread inside the loop, the encircling loop must not be tightened.

Pull both longer and shorter ends together for the new 
thread (B) in a opposite direction.

Step 3:

Now the tricky part and you should be sure that you did it as I explain or as the photo shown below, otherwise your knot will fail to be strongly attached to the old one. >>>
The new thread (B) is tightened the short end (A) throw the encircling loop which tightensbehind it as shown in pic(8)


Note: In all previous steps, only the new thread (B) ends (the shorter one and the longer) pulled.

NOW you tight the knot pulling both threads the short one (A) and the new one (B) from both longer sides to completely knot them, 

Both short ends (A) & (B) are cut quite close to the knot, if you do this knot outside the quires (from the spin direction) carefully take this knot through the inside of the section as sewing is continued.

This tutorial blog is for those who like to print and keep a copy in their reference library, but for thous who prefer to watch a tutorial video, here is one that i have made for you.

terça-feira, 21 de abril de 2015


Desconhecia totalmente.De repente, várias referências a ela. Alguns sítios são muito esclarecedores, parece que há uma corrente que é contra a cola quente usada nas encadernações comerciais e
 e prefere este esquema. Voltarei ao assunto, aqui é apenas uma introdução.

A fonte:

Bookbinding: Otabind

Traditional methods of bookbinding, such as oversewing (where pages fall out) or double-fan adhesive binding (where margins are lost), will soon have to make way for Otabind.
An article I read over at explains the Otabind method in perfect layman’s terms. Hardback (or ‘perfect binding’) books already separate the textblock from the book cover, to allow for pages to lie flat and still remain intact. For paperback (or ‘softbound’) books, however, there has been little improvement in terms of the technical. Creased and broken spines, loose pages, or pages that simply won’t open flat, have become the norm for readers of paperbacks. But now there is a new method of binding that will allow you to read your book open in your lap as you drink a cup of tea.
How does this work? It comes down to the glue.
Hot glue, also known as EVA or PUR glue, is heated and applied to the spine of the textblock. It dries quickly and is, as a result, useful for commercial quantities of books, as it can bind large quantities of books and be shipped on the same day. But the disadvantage of hot glue in paperbacks is that it is difficult, nigh impossible, to open the book flat. Below are wonderfully clear examples of hot glue binding from
Cold glue, on the other hand, needs 24 hours to dry, and as such many printers do not want to invest in it, as they can make more profit with hot glue.
Where does Otabind fit into this? Otabind’s original patent is from 1981, when it was invented by a Finn, Mr Ota. The principle behind it is that the textblock is not glued directly onto the cover, as it is in the examples above. There is a very small amount of cold glue applied to the textblock and left overnight to dry. The paperback cover is then attached to the endpages, and the scores allow the textblock to be separate from the cover. Here’s an example:
The cold glue also ensured that the pages are very difficult to pull loose. Any of the pull tests that I’ve done down in have resulted in elbow bruises from hitting it off the desk. The spine, because it’s not attached to the textblock, is never creased or broken. The pages always lie flat; there is never any margin loss.
Why don’t more printers use this? Simply because it is not as quick as hot glue binding, and profits are lost when fewer books are bound. is one of the few printers in Europe who have the facilities and technology to use the Otabind system, and the satisfaction for readers and writers from this commitment can be found here on their website.
Want some more visuals on Otabind? Have a look at an Otabind machine at work here.
*Latest news*:
We here at just got a lovely book report back from the Henkel Lab Graphic Arts service. They tested one of our Otabind books for bind quality, and this – in a nutshell – is what they found:
The strength of the bind of the pages is almost three times the UK minimum standard.  Furthermore, this outstanding result is achieved using only .2 mm (point 2 of a millimetre) of PVA on the page edge.  This minimum amount of glue, combined with the unique Otabind feature (the gauze on the book block), and deep notching,   gives us not only this superior strength, but also the “lie flat” finish to the book  which is so attractive.
We like the little things.
You can view the full book report here.

Arquivo útil

Obrigado à Biblioteca Nacional, setor de restauro e conservação.
O arquivo abaixo traz uma série de fornecedores por aí, que, conjugada com a lista à direita no blog, pode suprir todas as informações necessárias.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Encadernação Weave

A nomenclatura - Encadernação weave-  é minha, serve "tecida" também, mas acho que fica bonita assim.
Da forma como fazem, maravilhosamente, só conheço duas pessoas: a proprietária deste vídeo abaixo e a Luisa, do Canteiro de Alfaces, uma craque!
Para quem quiser aprender:

Puxei este vídeo do Youtube, portanto, acredito ser aberto. Foi via o site , um local ótimo para quem quer aprender e estudar muito.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Aproveitando bem o papel...

Complementando o post anterior, um quadro do aproveitamento do papel, a partir de 
uma folha padrão encontrada nos fornecedores do Rio e de São Paulo. Peguei o infográfico
do sitio da Ramos design.
Uma etapa muito importante no desenvolvimento de um projeto gráfico é a definição do
 tamanho do suporte (geralmente papel), e tão importante quanto, é usar um tamanho que
 possibilite um bom aproveitamento de papel.
Muitas vezes, por questões de um ou dois centímetros, o projeto pode acabar custando
 bem mais caro do que sairia se fosse construído com pequenas alterações. 
O infográfico abaixo com certeza vai ajudá-lo a definir com facilidade os tamanhos 
de seus trabalhos.

Papel e seu tamanho

Tamanhos de Papel

Você sabia que os tamanhos de papel indicados como AN, ou seja, (A0, A1, A2, A3, A4, ..., A10), têm padrão de medidas universal? Sim?
Aqui você verá não só quais são os padrões de papel, mas como foram deduzidos segundo as normas pré-definidas.

Padrão A

Bem, para tal padrão A foram pensados os seguintes aspectos:
1. A altura dividida pela base resulta sempre em raiz de dois (1,41)
2. O tamanho A0 tem exatamente 1 m2
3. As áreas (A0, A1, A2, ... , A10) formam uma progressão geométrica de razão 1/2.

Quando eu descobri que o fato 1 revela uma importante aplicação de Raiz de Dois eu achei incrível!
Com isso podemos obter todas as dimensões dos papeis tipo A.
    Exemplo -Obter as dimensões do tamanho A0.
    Pelo fato 2 a área deste papel deve ser 1 m2. Assim ab = 1. Além disso, como a altura pela base é raiz de dois, temos:
    Tomando a segunda equação do sistema S, e multimplicando ambos os membros por b, temos:
    Como ab = 1, segue-se que o valor aproximado para a é 1,18.
    Resposta. a = 1,18 m e b = 0,84 m.

fato 3 indica que a área do papel A(N + 1) é metade do papel AN. Para que a razão entre as medidas de cada papel ainda seja 1,41 basta dobrar o papel A(N + 1) pela sua maior medida e teremos o tamanho AN. Veja o exemplo:
A partir disso podemos definir todas as dimensões da família AN. As medidas na tabela a seguir estão em milímetros:
A0841 × 1189
A1594 × 841
A2420 × 594
A3297 × 420
A4210 × 297
A5148 × 210
A6105 × 148
A774 × 105
A852 × 74
A937 × 52
A1026 × 37
Há a necessidade de tamanhos maiores que A0. Termos anteriores na seqüência apresentada podem ser indicados como 2A0, 4A0 pois as áreas sempre dobram nessa ordem.
4A01682 × 2378
2A01189 × 1682
A0841 × 1189
A1594 × 841
A2420 × 594
A3297 × 420
A4210 × 297
A5148 × 210
A6105 × 148
A774 × 105
A852 × 74
A937 × 52
A1026 × 37


Padrão B

Este padrão é relativo ao A. Também teremos uma seqüência geométrica (B0, B1, ... , B10) de razão 1/2.
O padrão B foi pensado num tamanho intermediário entre dois AN consecutivos - que diferem pela metade do tamanho do maior. Essa diferença de tamanho de AN para A(N + 1) pode ser demais!
Isso foi resolvido padronizando que as suas medidas (base e altura) de um B(N + 1) são, respectivamente, a média geométrica entre as bases de AN e de A(N + 1) e entre as alturas de AN e de A(N + 1).
média geométrica MG entre n valores reais não negativos x1, x2, x3 ... , xn é:
Assim, a média geométrica entre dois valores reais não negativos x e y é:
    Exemplo -Obter as dimensões do tamanho B0.
    Para as dimensões de B0 vamos precisar das dimensões de A0 e seu antecessor 2A0.
    2A01189 × 1682
    A0841 × 1189B0

    Que, com aproximção, resulta nas dimensões 1000 × 1414 (em milímetros).
    Resposta. 1000 mm e 1414 mm .


Padrão C

Este padrão é relativo ao A e ao B. As dimensões de CN são as médias geométricas das medidas correspondentes (base e altura) de AN com BN.
A0841 × 1189B01000 × 1414C0

1682 × 2378
1189 × 1682
841 × 1189
1000 × 1414
917 × 1297
594 × 841
707 × 1000
648 × 917
420 × 594
500 × 707
458 × 648
297 × 420
353 × 500
324 × 458
210 × 297
250 × 353
229 × 324
148 × 210
176 × 250
162 × 229
105 × 148
125 × 176
114 × 162
74 × 105
88 × 125
81 × 114
52 × 74
62 × 88
57 × 81
37 × 52
44 × 62
40 × 57
26 × 37
31 × 44
28 × 40


Alguns usos dos tamanhos A, B e C:

A0, A1desenhos técnicos, posters
A1, A2paineis de apresentação
A2, A3desenhos, diagramas, tabelas grandes
A4cartas, revistas, formulários, catálogos, padrão de impressoras caseiras, máquinas de copiar
A5caderno de notas
A6cartões postais
B5, A5, B6, A6livros
C4, C5, C6envelopes para cartas A4: sem dobrar (C4), dobrada uma vez (C5), dobrada duas vezes (C6)
B4, A3jornais
B8, A8cartas de jogos

Em todos eles há a presença da constante Raiz de Dois!

O trabalho todo foi do Professor Cardy ( aulas do atelier, sempre vejo o pessoal ficar quebrando a cabeça com as medidas do papel. Neste trabalho, o Professor Cardy explica o porquê e, mais importante, o como se chega lá. Agradeço desde já, uma vez que reproduzo sem autorização.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Achado de viagem

Coisas de viagem e de gente que xereta, muito!
Estávamos indo para Smorgasburg, uma feira ótima no Brooklyn, em Nova Iorque.

O quadro emoldurado
O pessoal do truck food se reúne em um estacionamento enorme e as pessoas vão chegando, fica muito lotado, sempre aos sábados. É um programa ótimo, por enquanto ainda não tão lotado assim, mas está cheio. E  pode-se provar comidas as mais diferentes...uma delícia.

No entorno, atelier, feiras de craft -artesanato não explica tudo - mas são feiras sem nada, absolutamente nada industrializado, mostrando sempre um trabalho que, se não é original, é totalmente handcrafted. Feito à mão, de verdade! Recomendo.

Entrando em um tremendo bric-a-brac, que tinha de móveis de época a parafusos enferrujados, tudo com uma etiqueta de preço, algumas coisas legais, muito lixo, que, para alguém, tinha e tem valor.
Encontrei um macete (googlem aí) antigo, uma ferramenta que a Mônica Colocci tem e eu invejava...e outras coisas interessantes, até que me deparei com esta moldura que vocês vão ver, achei interessante e o preço, bem, US$ 19,99.  E dentro, um texto em árabe, com iluminuras (googlem aí) e douração, que, para quem trabalha com encadernação e douração, era um grande atrativo.

Alguém consegue informar a que se refere o texto? Sei que é um trecho do Alcorão, mas qual?
Não consegui um centavo sequer de desconto, nas duas compras! Consegui fazer com que chegasse à casa sem quebrar o vidro,, comecei a reformar a moldura e...voilá... na hora de fazer a limpeza do papel, estava escrito :"Qu'ram...early XVIII century, manuscriptt"!!!! Deduzi que seria uma sura (ou mais de uma) com significado especial para alguém, mas acabei com uma antiguidade em mãos.

Agora, enfeita a parede do atelier e é sempre uma história para contar!

Alguém sabe árabe o suficiente para me dizer qual sura está manuscrita aí?Agradeço muito a ajuda!